Entrevista Bolsonaro sobre homofobia no Brasil para rede BBC causa mal estar.

Igrejas fundamentalistas no Brasil  consideram a homossexualidade um dos piores pecados na Biblía , elas seguem  interpretações pessoais de capítulos como sobre a destruição de Sodoma e Gomorra como sendo castigo da homossexualidade.

bbg

Pastores como Silas Malafaia, com sua polêmica entrevista para Marilia Gabriela, (de frente com Gaby)  Bolssonaro e Marcos Feliciano;  nomeado para os direitos humanos, que inclusive revoltou o país por afirmar que negros são amaldiçoados e homossexuais são malditos são apenas alguns nomes onde uma massa de seguidores seguem o mantra da suas pregações, ( gays vão para o inferno) disseminando o preconceito e a homofobia.

bolsogay

Numa entrevista para uma rede de televisão da Inglaterra, Jair Bolsonaro (PP-RJ) para o documentário “Out There“, que fala sobre o avanço da homofobia no mundo, e está sendo exibido pela BBC, no Reino Unido.

Bolsonaro  afirma : Não existe homofobia no Brasil, que certas violências são usadas como maneira de propaganda por  parte de ativistas gays para levantar bandeiras pro homossexualidade

homofobia

Veja a entrevista completa:

Alguns acreditam que a entrevista causa um mal estar  e prejudica o turismo no Brasil que recebe todos os anos milhões de gays de diversas partes do mundo, porque apesar dele afirmar que não há homofobia no Brasil dá outro entender com suas afirmações.

 

Anúncios

Professor é impedido de exercer função por ser homossexual

Mauro que é tutor do curso de Psicanálise, foi impedido de exercer sua função como professor, por causa de preconceito quanto a sua orientação sexual por parte da Universidade UNOPAR de Sete Lagoas, no estado de Minas Gerais.

A universidade inclusive alegou reprovação dos alunos que ficaram interados da situação de Mauro, numa explícita demonstração de preconceito contra um excelente profissional.
Veja na integra a carta recebida por ele após avaliação e que mostra com todas as letras o motivo da negativa.

Boa tarde nobre amigo Mauro. Como foi de viagem de volta ?  Tudo bem ?
Eu Carmem e Wilson, pela liberdade sedimentada no convívio e nas relações de trabalho, não poderíamos nos furtar de fazer algumas considerações a respeito de sua última vinda a Sete Lagoas.

Sua bagagem profissional será sempre alardeada em função da admiração que ela inspira em todos nós. Você é muito querido aqui, mas temos que nos manifestar em relação ao seu posicionamento juntamente ao seu cônjuge.
Sete Lagoas e seus alunos não estão preparados para esta outra alternativa de relacionamento tal como vocês nos apresentaram, a qual respeitamos, não tenha dúvidas quanto a isto.

Não estamos dispostos a levantar bandeira de confronto social e portanto não está em nossos planos que isto prossiga nos moldes que presenciamos. Deixamos este posicionamento de maneira clara para que possamos conversar e estabelecer as bases de nosso trabalho daqui por diante.

Os alunos se manifestaram espontaneamente no sentido de reprovação da situação também e inclusive avaliaram seu trabalho desta vez abaixo do calibre do profissional que você é, Sentiram que você não estava de corpo e alma no que estava fazendo.
Estas criticas construtivas vem em função do desejo de resguardar seu respaldo profissional e continuar a viabilização da continuidade de seu trabalho junto a nós. Sempre respeitosamente, Sérgio, Carmem e Wilson.

Um grande abraço.

É um absurdo tal resposta por parte de uma universidade de ensino como a dada pela UNOPAR de Sete Lagoas,e não dá pra acreditar que universitários tenham tido uma posição tão retrógada.

Mauro colocou a situação nas mãos de seu advogado e esta procurando divulgar o ocorrido nas mídias sociais para que haja repercussão do fato, como uma forma de manifestação de protesto e indignação diante desta situação vexatória.